segunda-feira, 18 de junho de 2012

Canibal e Bruxo com Super Poderes - General Butt Naked - Joshua Milton Blahyi - Guerra da Libéria, África

Você Sabe o que é “O Salto Quântico Genético”? [Clique Aqui]

Parte destacada do documentário “Canibalismo - Rituais Bizarros do History Channel que está completo em nosso canal, veja abaixo. Nessa parte somos apresentados a muito interessante historia de Joshua Milton Blahyi, o “General Butt Naked” [Tradução: Bunda Pelada, sim isso mesmo que você leu...] que lutou por mais de 14 anos numa guerra civil generalizada na Libéria, país da África que faz fronteira com Serra Leoa, onde aconteceram as atrocidades financiadas pelos "Diamantes de Sangue". Ele diz ser um escolhido antes mesmo do nascimento para servir a uma entidade que ele chama de Nyanbé-a-Weh, a tal entidade o instrui a fazer sacrifícios humanos horrendos para se tornar invencível, e de fato ele ficou invencível...

Veja o Vídeo - Canibal e Bruxo com Super Poderes - General Butt Naked: 

Documentário Completo, Canibais - Rituais Bizarros:


Lutava nu em meio a uma guerra civil terrível, por mais de 14 anos, nunca levou um tiro...

O resto da historia pode ser vista no próprio DOC. Uma coisa que o History não contou, é que os tais “sacrificados” ao qual ele [Joshua] se refere são em sua grande maioria crianças pequenas, no caso meninas.

Para saber mais sobre essa historia acesse a página, [Clique Aqui], veja a nossa tradução completa logo abaixo

A realidade é muito pior do que é mostrado no DOC, as crianças eram tiradas dos braços dos pais e sacrificadas, mas em alguns casos, a própria mãe levava a criança até ele. Foi o caso do ultimo sacrifício, feito em 1996, uma mãe levou sua menina para Joshua, e ele diz que era linda, uma criança de rara beleza, mesmo percebendo a doçura e pureza da rara menina ele a matou, retirou o coração dela, como já havia feito centenas de vezes antes com outras, cortou em pedaços e comeu, junto com seus soldados. Só que ele diz que se arrependeu amargamente, logo depois da batalha ele teve uma visão, uma luz branca em forma de humano com voz de homem. Essa aparição disse que Joshua deveria escolher:  ‘viver para se arrepender’ - ou - ‘morrer para sofrer’. 

Ele teve uma visão, a tal aparição mudou o modo dele de pensar

Ele identificou a tal entidade como sendo “Jesus”, mas pode ser qualquer outra, pois a tal entidade não se apresentou, não falou o nome. Leiam sobre a historia completa nesse link, Mais noticias sobre ele pesquise no GoogleNós do Site 'Sete Antigos Heptá', achamos que a tal entidade maligna chamada por ele de Nyanbé-a-Weh é um reptiliano, já a tal entidade benigna que o fez se arrepender pode ser qualquer coisa, mas certamente é benéfica. Não achamos que seja “Jesus” por que Jesus na verdade nunca existiu. [Clique Aqui].

Nyanbe-a-Weh apareceu para o menino Joshua Miltone e pediu muitos sacrifícios humanos, entidade pode ser um reptiliano...

Tradução usando o Google Tradutor de toda a reportagem do Dailymail, um jornal Britânico:

General Butt Naked - Joshua Milton Blahyi - Guerra da Libéria, África

Cara a cara com o General Butt Naked - "o homem mais malvado do mundo"
Por EDNA FERNANDES
UPDATED: 02:59 GMT, 28 de Novembro de 2010

É 1982 é um dia de celebração na Liberia, a tribo Krahn prepara para a iniciação de seu sumo sacerdote. Contra o som do tambor, ele é levado para uma área isolada, conduzida por um homem em uma máscara preta esculpida. O sacerdote está de pé diante de um altar, nu. Guerra e paz: ex-líder da guerra africana, Pastor Joshua Milton Blahyi, conversa com Edna Fernandes. Os anciãos trazem uma menina, a desnudam e esfregam seu corpo com barro. O novo sacerdote mata a criança. Em um ritual que dura três dias, seu coração e outras partes do corpo são removidos e comidos.

No curso daqueles dias o sacerdote tem uma visão: ele encontra o diabo que lhe diz que se transformará num grande guerreiro. O diabo diz para aumentar seu poder ele deve continuar os rituais de sacrifício de criança e canibalismo. A iniciação está completa e o sacerdote é agora um dos líderes mais poderosos na África Ocidental. O sacerdote tem 11 anos. Como profetizado, o sacerdote menino cresceu para se tornar um dos mais notórios senhores da guerra da Libéria: General Butt Naked.
Ele e seus soldados garotos carregavam na batalha nus, além de botas e metralhadoras.

O sacrifício de iniciação que ele realizou aos 11 anos foi a primeira vida que ele tirou das 20 mil mortes pelas quais ele agora reivindica responsabilidade. Seus rivais disputam o número de mortes como impossível de provar. No entanto, o que é incontestável é que, durante os 14 anos de guerra civil na Libéria, o homem tornou-se conhecido como um dos líderes de guerrilha mais desumanos e implacáveis ​​da história de África. Depois que o ex-General Butt Naked confessou seu passado à Comissão de Verdade e Reconciliação de Liberia (TRC) em 2008, um blogueiro da internet perguntou: "Esse é o homem mais malvado que já viveu?"

Seus crimes incluíam sacrifício de crianças, canibalismo, exploração de crianças-soldados e trocas de diamantes de sangue por armas e cocaína, que usava para ele alimentava a meninos de nove anos.
Ainda hoje ele diz que ele é um homem reformado. Em julho de 1996, o senhor da guerra teve "uma epifania". Tendo passado 14 anos mantendo conversas noturnas com o diabo, teve uma visão ofuscante de uma presença que ele acha que pode ter sido “Cristo”, (a tal presença na verdade não deu nome, foi ele que entendeu assim), que lhe disse para acabar com os assassinatos, a frase exata foi “Morra para sofrer, ou viva para se arrepender”.

Esta foi uma conversão como nenhuma outra: o ex-sacerdote tribal e senhor da guerra agora é conhecido como Pastor Joshua Milton Blahyi. Com 39 anos, é casado, pai de três filhos e vive como pregador cristão. General Butt Naked: Joshua Milton Blahyi ameaça um colega com uma faca em maio de 1996. Ele diz que se ele pode mudar, qualquer um pode. Ele também pede que a prática religiosa tribal de sacrifício de crianças e canibalismo termine, dizendo que ainda continua na Libéria até hoje. A TRC da Libéria, criada para investigar as atrocidades da guerra, relatou em 2009 e pediu um perdão para Blahyi com base em sua franqueza e remorso.

Agora em uma entrevista exclusiva com The Mail no domingo, Blahyi diz que está disposto a ir para o Tribunal Penal Internacional em Haia e ser julgado por crimes de guerra. Ele levanta a tampa sobre as sociedades secretas da Libéria que conduzem sacrifícios infantis e canibalismo, bem como seu papel na guerra - e seu desejo de mudar. Sua entrevista pinta um retrato aterrorizante da descida de um homem para o Inferno e sua busca pela redenção. É uma confissão que deixará muitos perguntando se esses crimes podem ser perdoados. É uma pergunta que ele se faz.

Juntamente com a Etiópia, a Libéria é o único país africano sem raízes na colonização europeia. Foi fundada e colonizada por escravos americanos libertados no início da década de 1820.
No entanto, sua história recente tem sido destruída pela guerra civil. Entre 1989 e 2003, a guerra inter-tribal da Libéria matou 250 mil pessoas, deslocou um milhão e levou uma em cada cinco crianças a tornar-se soldados. Durante o conflito, este canto da África Ocidental tornou-se um nexo para o comércio de diamantes de sangue e cocaína, injetando armas e lavando os fundos de grupos terroristas como a Al Qaeda. A instabilidade que emanava deste país representava um perigo muito além da fronteira da Libéria, até às nossas costas.

O general Butt Naked foi um dos chefes de guerra principais, combatendo grupos de guerrilha, incluindo o de Charles Taylor, que mais tarde se tornou presidente da Libéria e agora está sendo julgado por crimes de guerra em Haia. Conheço Blahyi pela primeira vez no pátio empoeirado do Hotel Zeos, a 45 minutos de carro de Monróvia, capital da Libéria. Ele escolheu este lugar deserto porque, depois de confessar-se à CVR, tornou-se alvo de tentativas de assassinato. Ele avança em minha direção, braços abertos, sorrindo amplamente. - Bem-vindo à Libéria.

Levaram meses para encontrar Blahyi porque ele foi para o clandestino após a última tentativa de assassinato. No final, eu obtive seu número de um diretor de cinema liberiano vivendo em Nova York. Juventude perdida: Crianças soldados nas ruas de Monróvia em 1996. Lembro-me de telefonar para o celular pela primeira vez. A voz que respondeu foi inicialmente cautelosa. Mas uma vez satisfeito da minha identidade, ele se tornou quente, até mesmo amigável e iria tocar meu celular em Londres em momentos aleatórios para um bate-papo. O interesse no general renovou-se desde sua evidência à TRC e, naturalmente, sua conversão dramática ao cristianismo evangélico.

Ele é o tema de um documentário americano no Festival de Sundance no próximo ano. O interesse dos cineastas era o mesmo que o meu: poderia um homem que alegou ter feito tal mal realmente mudar ou ele é apenas um trapaceiro brilhante? Durante os dias que passei com ele na Libéria, conheço um homem que tem muitas coisas: sinceramente; Torturado pelo conhecimento de suas ações; Assustadoramente honesto sobre suas atrocidades; E em outros momentos vulneráveis e desesperados para agradar.

Lúcido, atraente, carismático. Mas um homem danificado, no entanto. A primeira coisa que você nota sobre o general é a sua massa. Ele deixou o combate armado há mais de uma década, mas sua presença física permanece intimidante. A segunda coisa é os olhos dele - tudo o que ele fez foi mantido nele. Tomamos um assento no bar sombrio. Contra o zumbido do trânsito falamos, ele bebendo uma garrafa de bebida de malte. Seus ombros e músculos do braço se esticam contra sua camiseta cáqui.

Quando agitado por um determinado assunto, ele gesticula descontroladamente, seu rosto revivendo a cada momento. Em um desses momentos, ele bate sua garrafa fora da mesa. Sem tirar os olhos de mim, ele pega uma fração de segundo antes que ele se esmaga no chão. Os reflexos do soldado permanecem tão nítidos como sempre. Pergunto-lhe como sua vida era como uma criança. Ele descreve como ele foi contado primeiro por seu pai, depois por seus anciãos tribais que ele nasceu para ser um guerreiro.

Por ordem dos anciãos, foi concebido e tirado de sua mãe minutos após o nascimento. Com sete anos de idade, seu pai o entregou aos anciãos que o ensinaram nos rituais do sacerdócio. Quando ele foi iniciado, ele se tornou uma figura poderosa como cada tribo agora se inclinou para ele. Em 1982, como o sumo sacerdote, de 11 anos, Blahyi lembra-se de realizar rituais de magia negra no palácio presidencial para proteger o então líder liberiano, Samuel Doe, de inimigos.

Doe tinha sido um membro da tribo Krahn e chegou ao poder em um violento golpe em 1980.
Em 1990, Doe foi apreendida no palácio presidencial e assassinada pelas tropas de um líder rebelde - um ato que levou a uma escalada no conflito que raged por mais 13 anos. Crimes de guerra: Blahyi (retratado como um jovem soldado) diz que está disposto a ir ao Tribunal Penal Internacional em Haia para ser julgado. Durante todo o tempo, Blahyi foi um sumo sacerdote. Um de seus trabalhos mais importantes foi a realização de rituais de sacrifício e canibalismo.

Na Libéria hoje, 75 por cento das pessoas são cristãs, 20 por cento são muçulmanos e os outros seguem a religião tribal que executa esses rituais de sacrifício. Mas durante a guerra, os especialistas afirmam que muitos praticaram a fé tribal.

Em seu livro A Máscara da Anarquia, o Professor Stephen Ellis da Universidade Livre de Amsterdã, escreveu sobre os rituais praticados por várias tribos na Libéria e usados ​​durante a guerra. "Das inúmeras atrocidades realizadas por várias facções, talvez o mais terrível era comer carne humana. Esta foi uma prática com uma longa história. . . Depois de 1991 tornou-se comum encontrar refugiados traumatizados que testemunharam tais acontecimentos ".

Em 1994, a Igreja Católica estava tão perturbada por tais relatórios que condenou oficialmente a prática. Mas Blayhi mantém que ainda continua em segredo nas aldeias. Como sacerdote ele diz, ele teria uma visão sobre uma criança escolhida. Ele dizia aos anciãos a aldeia da criança, o nome da família e certos segredos daquela criança conhecida apenas pela família.

Os anciãos então levariam uma procissão à casa da criança, conhecida como "Casa da Honra".
A criança muitas vezes permanecia inconsciente até que chegou o momento em que foi levado da aldeia para o altar, onde seria despojado e coberto com um tipo de lama. "Como padre, eu disse a invocação. A criança é morta. Seu corpo tem partes diferentes e diferentes retiradas. Estava sozinha durante esse tempo? - Eu era o único com o corpo. Isso ainda acontece na Libéria? - Ainda acontece. Se você fosse para a minha aldeia agora e falasse sobre isso, eles o matariam. Desde a minha conversão, sei que a feitiçaria está errada. Eu sei que "comer" está errado. Preciso falar agora.

Durante seus dias como um sacerdote tribal, Blahyi diz, os rituais foram para o bem da tribo.
Mas uma vez que se tornou o líder da brigada despida da extremidade, Blahyi sacrificaria uma criança antes de cada batalha. Neste caso, não havia significado religioso para a tribo. Blayhi tem uma recordação espantosamente clara de como ele sacrificou as crianças antes da batalha - eo canibalismo envolvido. A crença era que matando e comendo crianças, os soldados seriam fortalecidos e purificados para a batalha.

O pior aspecto de tudo era que muitos dos Butt Naked Brigade eram crianças. Não foi o único grupo guerrilheiro a usar crianças soldados. Os trabalhadores humanitários estimaram que cerca de 20 mil crianças soldados foram recrutadas por forças rebeldes e governamentais durante a última guerra. A brigada despida de Butt tinha uma linha lateral na droga, nas armas e no negócio do diamante. A costa da Libéria foi usada como ponto de queda pelos cartéis de drogas mexicanos. Os homens do General fizeram um comércio.

"Eu não estava dando cocaína para armas, eu estava dando ouro e diamantes para armas e cocaína", explica. O que você fez com a cocaína? - Dei para os meninos. Misturado em sua comida. A partir dos nove anos? 'Sim.' Sua voz cai enquanto ele inclina a cabeça em seu peito. Os diamantes vieram do território capturado pelas facções da tribo Krahn. Os grupos de guerrilha usariam civis capturados para extrair os diamantes e então usariam as gemas para financiar sua guerra, tal como foi retratado no filme de Leonardo DiCaprio, Blood Diamond, ambientado em Serra Leoa.

Foram as drogas financiadas por diamantes - vendidas para financiar conflitos e bankroll warlords e empresas de diamantes em todo o mundo - que ajudaram a empurrar muitos dos soldados rebeldes mais jovens através dos limites da humanidade. O código de vestuário nu revelou-se uma tática militar terrivelmente eficaz. "O princípio do medo estava por trás disso. A primeira coisa que você quer impor ao inimigo é que você é um animal, não um guerrilheiro. Durante anos Blayhi foi padre e guerreiro para sua tribo. Ele coagiu sua brigada de 80 meninos para matar sem piedade.

Embora sua figura de 20.000 mortes tenha sido aceita pela TRC da Libéria, outros o acusam de exagero selvagem, dizendo que o total é impossível de verificar. - Como ele pode saber? O ministro da Informação da Libéria, Norris Tweah, me pergunta. - Duzentas e cinquenta mil pessoas foram mortas na guerra de 14 anos. Ele está usando isso para fazer-se parecer um grande senhor da guerra.
Mas sentar com Blayhi e ouvi-lo descrever sua depravação pessoal em detalhes forenses, parece claro que ele, pelo menos, acredita em cada palavra.

No entanto, o ponto de viragem veio. Era o verão de 1996 e seus clansmen foram travados acima em uma batalha ferocious. Foi decidido que um sacrifício era necessário. À medida que os foguetes choviam, uma mãe trouxe sua filha de três anos para ele. Algo sobre a criança atingiu o impiedoso General e, pela primeira vez em sua vida, hesitou. Enquanto ele revive o momento comigo, seu rosto se contorce. - A criança era muito bonita e amável. A maioria das crianças é trazida para mim pelos anciãos, eles estão chorando, eles estão lutando. Esta criança era pacífica ", lembra ele. "Eu pensei," Esta criança não deve morrer. " Eu lutava.

"De todos os milhares que eu matei, eu queria não matar aquela garotinha... "Sua voz sai. Ele está perto de lágrimas pela primeira e única vez. - Logo depois de matá-la, tive minha epifania. Ele afirma ter visto uma luz branca na forma de um homem. Uma voz disse-lhe, "arrepender-se e viver ou recusar-se e morrer". Ele crê que era Cristo. O impacto foi imediato. A partir daquele dia, o assassinato, os sacrifícios e o canibalismo terminaram e Blahyi entrou em um período de turbulência que levou seus homens a acreditar que ele tinha enlouquecido. Em poucos meses, ele havia deixado a Brigada Nua e, no final de setembro de 1996, foi batizado no mar perto de Monróvia.

Até agora o sol se pôs. Blayhi parece desperdiçado de descrever o encontro com a menina e seu impacto. A confissão o deixou consumido pela culpa. No dia seguinte, ele deve pregar para uma congregação em uma igreja a 15 minutos. Nós arranjamos para levá-lo lá. Como vamos, o gerente do hotel verifica que Blahyi está indo para bom. Nos olhos dos outros, Blahyi não é apenas um pastor: ele ainda é visto como o general assassino e canibal. Sua reputação e nome ainda golpeia o terror nos corações liberianos.

Não podemos falar em lugares públicos, não podemos sentar em hotéis ocupados, não podemos ser visto comer juntos. Enquanto dirigimos para a igreja, Blahyi fica na frente. Sento-me atrás, observando-o. Ele está usando um terno vermelho e uma camisa preta e seus ombros aparecem em ambos os lados do assento. Ele está cantando hinos. 'Você dormiu bem?' ele pergunta. "Sim", eu minto. 'Você?' 'Muito bem.' "Você pareceu chateado no final de nossa entrevista", 'Eu fui. Mas eu sempre durmo bem. Não importa o que.'

Ele salta do carro e cumprimenta o pastor local, que está usando sapatos brancos. Seu velho, vermelho Mercedes surrado, com uma leitura de número de série "Be Holy" está estacionado fora.
Uma banda está tocando ea congregação de 300 pessoas está batendo palmas, cantando e dançando.
A igreja está no local de um antigo quartel do exército liberiano e Blahyi foi convidado a falar do "serviço de libertação". À medida que os tambores e o sintetizador crescem mais alto, a multidão canta 'Jesus, Jesus' como se estivesse num concerto de rock. Quando Blayhi pega o microfone, o lugar entra em erupção. Ele é eletrizante e sinistro ao mesmo tempo.

Seu sermão varia dos perigos do fast food aos modos do diabo e ao sentido impróprio do vestido da cantora Beyonce. Uma hora depois, suando em seu terno vermelho, sai do prédio para sentar sozinho na sombra, orando. A pregação é agora sua missão e parte disso é salvar ex-crianças-soldados. Mais tarde na semana, Blayhi nos leva a um centro de reabilitação que ele dirige para ex-combatentes no mato fora Monrovia.

O fotógrafo e eu percebemos Blahyi é o nosso único fiador de segurança. À medida que viramos para cima é claro que tudo não está bem. Há uma divisão no acampamento como metade dos meninos se queixam de ficar muito pouco para comer - uma xícara de arroz por dia. Eles vivem em dois ou três quartos de tijolos sem água corrente ou eletricidade. Blahyi continua a ser a figura do pai adorado. Mas a reunião se torna azeda. Nana Gbolor é a mais zangada. Ele é 26 e tinha sido um soldado desde 18.

"Quando a guerra terminou, me mudei para um gueto chamado Solale. Dormi num cemitério entre os corpos. Então um dia o pastor veio para mim, ele usava uma camiseta que dizia "Deus abençoe a Libéria". Ele não desistiu de mim. Agora tudo é querer é mais de uma xícara de arroz por dia e aprender a construção. A menos que meninos assim sejam salvos, muitos temem que o passado possa voltar. A Libéria é um país com 80% de desemprego.

Oitenta e cinco por cento de seus 3,9 milhões de habitantes vivem com menos de 78p por dia, segundo números da ONU. A guerra inter-tribal trouxe Liberia de joelhos. O relatório da TRC sobre Blahyi é apenas uma parte da limpeza. Ele também pediu que 49 pessoas fossem banidas de cargos políticos por 30 anos, incluindo a atual presidente, Ellen Johnson-Sirleaf, ex-economista do Banco Mundial que foi apelidada de "Iron Lady" de África. A TRC afirma que ela era uma ex-apoiante de Charles Taylor. Mas ela tem sido amplamente creditado com ajudar a virar a nação conturbada - ao garantir o cancelamento de £ 3,7 bilhões de dívida para o Banco Mundial. Seu governo não tem pressa em implementar as demandas da TRC sobre os processos.

Poderiam as vítimas realmente voltar a viver ao lado de seus perseguidores? Peço ao Ministro da Informação, Norris Tweah. "Todo mundo é uma vítima aqui", diz ele. Todo mundo perdeu alguém. Em um país onde todos eram cúmplices, todo mundo tem sangue em suas mãos, onde termina a culpa? '. Blahyi não tem dúvidas de que dizer desculpas não é suficiente. Falando com ele dentro da sombra de uma igreja vazia, ele diz que se sente perdoado por Deus. Mas o perdão na Terra é outra questão. "Eu acredito firmemente na Bíblia e diz que Deus me perdoou." Você estaria disposto a ser julgado por crimes de guerra em Haia?

'Sim. Eu diria que sou culpado e se a lei diz que eu deveria ser preso por crimes de guerra, então me prender. Se a lei diz que eu deveria ser enforcado, então me pendure. Blayhi me diz que ainda luta para lidar com a enormidade de sua selvageria. Às vezes ameaça quebrá-lo. Você pensou em suicídio? 'Muitas vezes.' Antes de deixá - lo, ele vai para uma loja de calçados em segunda mão e gasta £ 6 em treinadores para seus meninos e seus filhos. Carregando-os em um binliner preto, ele diz seu adeus e para esse momento ele parece sozinho. Ele vai para o ônibus que vai levá-lo para casa.

Lar não é onde está sua família; Eles vivem escondidos em Gana. Seu maior medo agora não é a morte, mas perder seus próprios filhos - uma ironia não perdida sobre ele. Para mim, nossa semana juntos foi como estar com uma personalidade dividida. Descrever sua vida passada é uma catarse dolorosa e violenta, deixando-o e aqueles ao seu redor drenados e traumatizados.

Depois há o outro lado: o pastor reformado distribuindo um saco de donuts para os alunos locais, contando a história de Jesus e os pães e peixes com grande calor e humor. Todos ficamos apanhados no riso, até que de repente eu me encontro recuando com a memória de tudo o que ele me disse.

Este é o seu destino de agora em diante: pois enquanto ele viver, não importa o quanto ele reforma, ele nunca será capaz de escapar do horror de seu passado. A história de Joshua Milton Blahyi é mais do que uma história de derramamento de sangue e selvageria da África. É também uma história de um homem lutando pela redenção e mudança. Suas vítimas não podem perdoá-lo. Ele é mais provável de enfrentar uma bala na cabeça do que o dia no tribunal, ele diz que quer. Mas sua história é evocativa de seu país como luta para deixar os demônios para trás e olhar para um futuro de prosperidade e paz.

O texto abaixo são minhas mensagens mandadas para uma moça com a qual eu me correspondo por MSN, posto aqui a titulo de curiosidade a quem interessar:

MSN:

Bruno: Viu o caso do Africano que diz ter sido iniciado num ritual, e ai teve um contato com uma entidade maligna que o instruiu a fazer sacrifícios humanos, e a comer corações humanos? 

Ela: hum, esses documentários eu não tenho muito interesse...

Bruno: Então, mas fundamentam as teorias sobre os reptilianos não é apenas loucura da cabeça das pessoas, é mesmo uma interferência espiritual, que as faz acreditar que devem sacrificar e comer outras pessoas. Ele diz que foi levado para o subsolo, e lá uma entidade chamada Nyanbé-a-Weh o recebeu e fez algo para ele ser invencível, diz que “búzios” foram colocados debaixo da pele dele, assim ele seria invencível, as balas nunca o acertariam, ele ganhou poderes sobrenaturais e veja que interessante... ele para provar isso, ia para a Guerra pelado, só com  as botas. Ele enfrentava os inimigos nu, e era um combate de trincheira, e de fato ele nunca foi morto, nem recebeu nenhuma bala durante guerras que duraram mais de 14 nos. Dizem ainda que quando havia um fogo de artilharia muito intenso, ele ficava invisível. Assista o DOC, contam a historia dele logo no inicio, é interessante.

Ela: Sim, interessante.

Segue Galeria de imagens sobre Joshua Milton Blahyi, o “General Butt Naked









 

Bruno Guerreiro de Moraes, apenas alguém que faz um esforço extraordinariamente obstinado para pensar com clareza...

Tags: áfrica, africano maligno, boemia grove, capeta, demônio, General Butt Naked, illuminati, Joshua Blahyi, Libéria, magia negra, magos negros, pacto com o diabo, sacerdote negro, satanás, Xuxa,

13 comentários:

Hiram disse...

Bruno... tenho 16 anos, sempre fui meio "contra" várias religiões e modos de pensar, mais na minha cabeça, no meu interior eu sempre tive uma ideia de como seria DEUS, de como as coisas funcionavam, e nunca achei uma religião que seguisse a minha ideia, nunca consegui dizer claramente como era realmente 'o meu ver', então um belo dia procurando sobre Projeção Astral, técnica que a 1 ano comecei a estudar e "tentar" praticar rsrsrs acabei me deparando com a "Iniciação o 'Salto' Quântico"... era totalmente o que eu pensava, era como se tivesse tirado palavras da minha boca... os chakras... a energia... como seus sentimentos podem de certa forma, interferir em vc... semelhante atrae semelhante... vidas passadas... um "Deus Interior"... TUDO... TUDO descrito no texto praticamente estava na minha cabeça e achei que eu era apenas um louco com uma ideia que ninguém no planeta tinha... mais enfim, admiro seu trabalho, te add no face mais sei que você provavelmente não vai me add porque não me conhece direito... queria tentar ir a uma "Iniciação" ou qualquer coisa do tipo, uma reunião que vocês fazem, sei lá, não sei se posso ir por causa da idade mais... só queria conhecer mais sobre o salto, projeção astral já me fascinava e, mesmo nunca tendo sucesso, tenho plena convicção de que existe, agora que descobri o Salto me sinto como um nova pessoa, por favor, me add no facebook... Hiram Bingre... queria conversar com vc sobre o assunto

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

eu já respondi esse seu texto por email né Hiram?

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Já tá ADD no Facebook

Johnny disse...

Por que os repitilianos são tão desequilibrados? Eles são bem avançados e inteligentes. Com toda essa inteligencia eles não percebem os efeitos nocivos das energias negativas?

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Johnny,eles seguem a natureza reptiliana do DNA deles, veja como uma cobra se comporta, ela mata, devora, e não tem piedade nenhuma com os pobres ratos, e outros bichos do tipo.

O crocodilo estraçalha, mata, esquarteja, e ele também não tem a minima piedade dos animais mortos.

Esses animais são "maus"? Na verdade seguem a natureza de sua especie.

Nós os herbívoros somos "maus" do ponto de vista das plantas das arvores, afinal a gente as come, esquarteja, pica elas em pedacinhos, e ainda usamos os seus corpos para construir casas e objetos de uso pessoal.

Tudo é uma questão de ponto de vista.

Não é nem branco nem preto, é marrom...

goomba disse...

Acredito que isso é um exemplo de magia negra praticada pelo soldado.A magia negra usa das artes para para roubar a energia e as habilidades de uma pessoa.Já a branca o proprio individuo usa das habilidades para construir os seus desejos.

Magia negra : cortar a pipa de alguém no ar para pegar para si .Magia branca : construir sua propria pipa.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Parte 1:

Face to face with General Butt Naked - 'the most evil man in the world'
By EDNA FERNANDES
UPDATED: 02:59 GMT, 28 November 2010

It is 1982 and as day breaks in Liberia, the Krahn tribe prepares for the initiation of its high priest.
Against the sound of the drumbeat, he is taken to an isolated area, led by a man in a carved black mask.
The priest stands before an altar, naked.


War and peace: Former African warlord Pator Joshua Milton Blahyi chats to Edna Fernandes
The elders bring a little girl, unclothe her and smear her body with clay. The priest slays the child.
In a ritual that spans three days, her heart and other body parts are removed and eaten.

In the course of those days the priest has a vision: he meets the devil who tells him he will become a great warrior.
The devil says to increase his power he must continue the rituals of child sacrifice and cannibalism.
The initiation is complete and the priest is now one of the most powerful leaders in West Africa. The priest is 11 years old.
As prophesied, the boy priest grew up to become one of Liberia's most notorious warlords: General Butt Naked.
He and his boy soldiers would charge into battle naked apart from boots and machine guns.

The initiation sacrifice that he carried out aged 11 was the first life he took out of the 20,000 deaths for which he now claims responsibility.
His rivals dispute the number of deaths as impossible to prove.
Yet what is indisputable is that during Liberia's 14 years of civil war, the man became known as one of the most inhumane and ruthless guerrilla leaders in Africa's history.

After the former General Butt Naked confessed his past to Liberia's Truth and Reconciliation Commission (TRC) in 2008, one internet blogger asked: 'Is this the most evil man who ever lived?'
His crimes included child sacrifice, cannibalism, the exploitation of child soldiers and trading blood diamonds for guns and cocaine, which he fed to boy soldiers as young as nine.
Yet today he says he is a reformed man. In July 1996, the warlord had 'an epiphany'.

Having spent 14 years holding nightly conversations with the devil, he had a blinding vision of Christ who told him to end the killings and convert.
This was a Damascene conversion like no other: the former tribal priest and warlord is now known as Pastor Joshua Milton Blahyi.
Aged 39, he is married, a father of three and lives as a Christian preacher.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Parte 2:

General Butt Naked: Joshua Milton Blahyi threatens a fellow fighter with a knife in May 1996
He says if he can change, anyone can. He also calls for the tribal religious practice of child sacrifice and cannibalism to end, saying it still goes on in Liberia to this day.

Liberia's TRC, set up to investigate the war's atrocities, reported in 2009 and called for a pardon for Blahyi on the grounds of his candour and remorse.

Now in an exclusive interview with The Mail on Sunday, Blahyi says he is willing to go the International Criminal Court at The Hague and be tried for war crimes.
He lifts the lid on Liberia's secret societies that conduct child sacrifice and cannibalism, as well as his role in the war - and his desire to change.

His interview paints a terrifying portrait of one man's descent into Hell and his quest for redemption.
It is a confession that will leave many asking whether such crimes can ever be forgiven. It is a question he asks himself.

Along with Ethiopia, Liberia is the only African country without roots in European colonisation. It was founded and colonised by freed American slaves in the early 1820s.
Yet its recent history has been blighted by civil war.

Between 1989 and 2003, Liberia's inter-tribal war killed 250,000 people, displaced one million and led to one in five children becoming soldiers.
During the course of the conflict, this corner of West Africa became a nexus for the trade in blood diamonds and cocaine, gunrunning and laundering the funds of terrorist groups such as Al Qaeda.
The instability emanating from this one country posed a danger far beyond Liberia's border, as far as our shores.

General Butt Naked was one of the leading warlords, fighting guerilla groups including that of Charles Taylor, who later become president of Liberia and is now being tried for war crimes at The Hague.
I meet Blahyi for the first time in the dusty courtyard of Hotel Zeos, 45 minutes' drive from Monrovia, Liberia's capital.

He has chosen this deserted spot because, after his confession to the TRC, he became the subject of assassination attempts.
He strides towards me, arms spread, smiling widely. 'Welcome to Liberia.'

It had taken months to find Blahyi because he went underground after the last assassination attempt.
In the end, I obtained his number from a Liberian film director living in New York.

Lost youth: Child soldiers on the streets of Monrovia in 1996
I remember calling his mobile for the first time.

The voice that answered was initially wary. But once satisfied of my identity, he became warm, even friendly and would ring my mobile in London at random times for a chat.
Interest in the General has renewed since his evidence to the TRC and, of course, his dramatic conversion to evangelical Christianity.
He is the subject of an American documentary at the Sundance Festival next year.

The filmmakers' interest was the same as mine: could a man who claimed to have done such evil truly change or is he just a brilliant trickster?
Over the days spent with him in Liberia, I get to know a man who is many things: genuinely sorry; tortured by the knowledge of his actions; frighteningly honest about his atrocities; and at other times vulnerable and desperate to please.

Lucid, compelling, charismatic.
But a damaged man, nonetheless.
The first thing you notice about the General is his bulk.
He left armed combat more than a decade ago, yet his physical presence remains intimidating.
The second thing is his eyes - everything he has done is held therein.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Parte 3:

We take a seat in the gloomy bar. Against the buzz of traffic we talk, him sipping a bottle of malt drink.

His shoulders and arm muscles strain against his khaki T-shirt.
When agitated by a particular subject, he gesticulates wildly, his face reliving every moment.
At one such moment, he knocks his bottle off the table.

Without taking his eyes off me, he catches it a split second before it smashes to the ground. The soldier's reflexes remain as sharp as ever.
I ask him how his life was as a child.
He describes how he was told first by his father, then by his tribal elders that he was born to be a warrior.

On the orders of the elders, he was conceived and taken from his mother minutes after birth.
Aged seven, his father handed him to the elders who tutored him in the rituals of the priesthood.
When he was initiated, he became a powerful figure as every tribesman now bowed to him.

In 1982, as the high priest, aged 11, Blahyi remembers performing black magic rituals at the presidential palace to protect the then Liberian leader, Samuel Doe, from enemies.

Doe had been a member of the Krahn tribe and came to power in a violent coup in 1980.
In 1990, Doe was seized in the presidential palace and murdered by the troops of a rebel leader - an act that led to an escalation in the conflict which raged for another 13 years.

War crimes: Blahyi (pictured as a young soldier) says he is willing to go to the International Criminal Court at The Hague to be tried
During the whole time, Blahyi was a high priest. One of his most important jobs was the performance of sacrifice rituals and cannibalism.

In Liberia today, 75 per cent of people are Christian, 20 per cent are Muslim and the rest follow the tribal religion that performs these sacrifice rituals.
But during the war, experts claim many more practised the tribal faith.

In his book The Mask Of Anarchy, Professor Stephen Ellis of Free University, Amsterdam, wrote of the rituals practised by various tribes in Liberia and used during the war.
'Of the countless atrocities carried out by various factions, perhaps the most appalling was the eating of human flesh. This was a practice with a long history . . . after 1991 it became common to encounter traumatised refugees who witnessed such events.'

By 1994 the Catholic Church was so disturbed by such reports it officially condemned the practice. But Blayhi maintains it still goes on in secret in the villages.
As a priest, he says, he would have a vision about a chosen child. He would tell the elders the child's village, the family name, and certain secrets of that child known only to the family.

The elders would then lead a procession to the child's house, known as 'the House of Honour'.
The child would often remain oblivious until the moment came where he was taken away from the village to the altar, where he would be stripped and covered in a type of mud.

'As priest, I said the invocation. The child is killed. His body has different, different parts taken off.'
Were you alone during this time? 'I was the only one with the body.'
Does this still happen in Liberia? 'It still happens. If you went to my village now and spoke of this, they'd kill you. Since my conversion, I know witchcraft is wrong. I know "eating" is wrong. I must speak out now.'

During his days as a tribal priest, Blahyi says, the rituals were for the good of the tribe.
But once he became leader of the Butt Naked Brigade, Blahyi would sacrifice a child before every battle.
In this case, there was no religious significance for the tribe.

Blayhi has an appallingly clear recollection of how he sacrificed children before battle - and the cannibalism involved.
The belief was that by killing and eating children, the soldiers would be strengthened and purified for the battle.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Parte 4:

The worst aspect of all was many of the Butt Naked Brigade were children themselves.
It was not the only guerrilla group to use child soldiers. Aid workers estimated that as many as 20,000 child soldiers were recruited by rebel and government forces during the last war.

The Butt Naked Brigade had a sideline in drug, weapons and diamond dealing. The Liberian coast was used as a drop-off point by Mexican drug cartels. The General's men would do a trade.

'I was not giving cocaine for arms, I was giving gold and diamonds for arms and cocaine,' he explains.
What did you do with the cocaine? 'Gave it to the boys. Mashed it into their food.'

From the age of nine? 'Yeah.'
His voice drops as he bends his head into his chest.
The diamonds came from territory captured by the Krahn tribe factions.

The guerrilla groups would use captured civilians to mine the diamonds and then use the gems to finance their war, just as was depicted in the 2006 Leonardo DiCaprio film Blood Diamond, set in Sierra Leone.

It was the diamond-funded drugs - sold to finance conflicts and bankroll warlords and diamond companies across the world - that helped push many of the younger rebel soldiers across the boundaries of humanity.

The naked dress code proved to be a terrifyingly effective military tactic.
'The fear principle was behind it. The first thing you want to impose on the enemy is that you're an animal, not a guerrilla.'
For years Blayhi was priest and warrior for his tribe. He coerced his brigade of 80 boys to kill without pity.

Although his figure of 20,000 deaths has been accepted by Liberia's TRC, others accuse him of wild exaggeration, saying the total is impossible to verify.
'How can he know?' Liberia's Information Minister, Norris Tweah, asks me. 'Two hundred and fifty thousand people were killed in the 14-year war. He is using this to make himself sound like a great warlord.'
But sitting with Blayhi and listening to him describe his personal depravity in forensic detail, it seems clear that he, at least, believes every word.

Yet the turning point came. It was the summer of 1996 and his clansmen were caught up in a ferocious battle.
It was decided that a sacrifice was needed. As the rockets rained down, a mother brought her three-year-old daughter to him.

Something about the child struck the pitiless General and for the first time in his life he hesitated.
As he relives the moment with me, his face becomes contorted.
'The child was very unusually beautiful and kind. Most of the children are brought to me by the elders, they're crying, they're fighting. This child was peaceful,' he recalls. 'I thought, "This child must not die." I struggled.

'Of all of the thousands that I killed, I wish I did not kill that little girl . . . ' his voice trails off.

He is close to tears for the first and only time. 'Right after killing her, I had my epiphany.'
He claims he saw a white light in the shape of a man. A voice told him, 'repent and live or refuse and die'. He believes it was Christ.

The impact was immediate. From that day the killing, the sacrifices and cannibalism ended and Blahyi entered a period of turmoil that led his men to believe he had gone mad.
Within months he had left the Butt Naked Brigade and by the end of September 1996 he was baptised in the sea near Monrovia.

By now the sun has set. Blayhi looks wasted from describing the encounter with the little girl and its impact. The confession has left him consumed by guilt.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Parte 5:

The next day he is due to preach to a congregation at a church 15 minutes away. We arrange to take him there.
As we leave, the hotel manager checks that Blahyi is going for good.

In the eyes of others Blahyi is not just a pastor: he is still seen as the murderous General and cannibal.
His reputation and name still strikes terror into Liberian hearts.

We cannot talk in public places, we cannot sit in busy hotels, we cannot be seen eating together.
As we drive to the church, Blahyi sits in the front. I sit behind, watching him.
He's wearing a red suit and black shirt and his shoulders loom either side of the seat. He is singing hymns.
'Did you sleep well?' he asks. 'Yes,' I lie. 'You?' 'Very well.' 'You seemed upset at the end of our interview,'
'I was. But I always sleep well. No matter what.'

He jumps out of the car and greets the local pastor, who is wearing white winkle-picker shoes.
His battered old, red Mercedes with a numberplate reading 'Be Holy' is parked outside.
A band is playing and the 300-strong congregation is clapping, singing and dancing.

The church is at the site of a former Liberian army barracks and Blahyi has been invited to address the 'deliverance service'.
As the drums and synthesiser grow louder, the crowd chant 'Jesus, Jesus' as if at a rock concert.
When Blayhi takes the microphone, the place erupts. He is electrifying and sinister at the same time.

His sermon ranges from the dangers of fast food to the devil's ways and to the inappropriate dress sense of singer Beyonce.
An hour later, sweating in his red suit, he leaves the building to sit alone in the shade, praying.
Preaching is now his mission and part of that is saving former child soldiers.

Later in the week, Blayhi takes us to a rehabilitation centre he runs for ex-combatants in the bush outside Monrovia.
The photographer and I realise Blahyi is our only guarantor of safety.
As we turn up it is clear all is not well. There is a split in the camp as half the boys complain of getting too little to eat - one cup of rice a day.

They live in two or three brick rooms with no running water or electricity. Blahyi remains the adored father figure. But the reunion turns sour.
Nana Gbolor is the most angry. He is 26 and had been a soldier since 18.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Parte 6:

'When the war ended, I moved to a ghetto called Solale. I slept in a cemetery among the bodies. Then one day the pastor came for me, he wore a T-shirt that said "God Bless Liberia". He didn't give up on me. Now all is want is more than one cup of rice a day and to learn construction.'

Unless boys like this are saved, many fear the past could return.
Liberia is a country with 80 per cent unemployment.

Eighty-five per cent of its 3.9 million population live on less than 78p per day, according to UN figures. Inter-tribal warfare brought Liberia to its knees.
The TRC report on Blahyi is just one part of the clean-up.
It also called for 49 individuals to be banned from political office for 30 years, including the current president, Ellen Johnson-Sirleaf, a former World Bank economist who has been dubbed Africa's Iron Lady.
The TRC states she was a former supporter of Charles Taylor.
But she has been widely credited with helping turn around the troubled nation - by securing the cancellation of £3.7 billion of debt to the World Bank.
Her government looks in no hurry to implement the TRC's demands on prosecutions.

Could victims really go back to living alongside their persecutors? I ask Information Minister Norris Tweah.
'Everyone's a victim here,' he says. 'Everybody lost somebody. In a country where everyone was complicit, everyone has blood on their hands, where does the blame end?'

Blahyi is in no doubt that saying sorry is not enough. Talking to him inside the shade of an empty church, he says he feels forgiven by God. But forgiveness on Earth is another matter.

'I believe the Bible strongly and it says God has forgiven me.'
Would you be willing to be tried for war crimes at The Hague?
'Yes. I would say I am guilty and if the law says I should be jailed for war crimes, then jail me. If the law says I should be hanged, then hang me.'

Blayhi tells me he still struggles to cope with the enormity of his savagery. At times it threatens to break him.
Did you think of suicide?

'Many times.'
Before we leave him, he goes to a second - hand shoe shop and spends £6 on trainers for his boys and his children.
Carrying them in a black binliner, he says his goodbyes and for that moment he seems alone.
He heads for the bus that will take him home.

Home is not where his family is; they live in hiding in Ghana. His greatest fear now is not death, but losing his own children - an irony not lost on him.

Bruno Guerreiro de Moraes disse...

Parte 7:

For me, our week together has been like being with a split personality.

Describing his past life is a painful and violent catharsis, leaving him and those around him drained and traumatised.

Then there's the other side: the reformed pastor dispensing a bag of doughnuts to local schoolchildren, telling the story of Jesus and the loaves and fishes with great warmth and humour.
We all get caught up in the laughter, until I suddenly find myself recoiling with the memory of all he has told me.

This is his fate from now on: for as long as he lives, no matter how much he reforms, he will never be able to escape the horror of his past.
The story of Joshua Milton Blahyi is more than a story of Africa's bloodshed and savagery. It is also a story of a man struggling for redemption and change.

His victims cannot forgive him. He is more likely to face a bullet in the head than the day in court he says he wants.

But his story is evocative of his country as it struggles to leave the demons behind and look to a future of prosperity and peace.

GoogleAnalytics

O que Está Acontecendo?

- “Lamento, eu lamento muito... mas a maior revelação que o ‘Salto’ trás não é consolador, mas sim perturbador. O Mundo em que estamos é um campo de concentração para extermino de uma Super Potencia do Universo Local”. [Bruno Guerreiro de Moraes]